Filmes do Homem

Fora de Campo

Orientadores

álvaro domingues

Álvaro Domingues

Álvaro António Gomes Domingues (Melgaço, 1959) é geógrafo, doutorado em geografia Humana e professor associado da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. Actividade Docente: Professor do Mestrado Integrado em Arquitectura e do Curso de Doutoramento da FAUP; Membro do Conselho Científico da FAUP; Professor do Mestrado “Projecto do Ambiente Urbano” (FAUP/FEUP); Professor do Curso de Doutoramento da Fac. de Arquitectura da Universidade de Coimbra; Professor dos Cursos de Verão da Fundação de Serralves; Professor convidado da Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professor Convidado da Universidade de Granada. Colabora regularmente com outras universidades, fundações, jornal Público, associações profissionais e culturais, e desenvolve uma actividade regular como conferencista. Áreas de Investigação: Geografia Urbana, Urbanismo, Paisagem, Territórios, Políticas Culturais. Dos seus livros recentes destacam-se: Vida no Campo (ed. Dafne, Porto, 2012), A Rua da Estrada (ed. Dafne, Porto, 2010) e Políticas Urbanas II, (Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2012 com Nuno Portas e João Cabral)

andreia alves

Andreia Alves de Oliveira

É fotógrafa e investigadora, vive e trabalha em Londres. É doutorada (2015) e mestre (2009) em fotografia pela Universidade de Westminster em Londres, onde foi bolseira. Em 2008 foi seleccionada para o Programa Criatividade e Criação Artística da Fundação Calouste Gulbenkian. Previamente, estudou direito e trabalhou como advogada. A sua práctica e trabalho de investigação exploram assuntos relacionados com a vida contemporânea na sociedade ocidental, procurando investigar através da fotografia e da escrita a realidade em que estamos inseridos, aquilo que torna a vida aqui, agora, aquilo que ela é, questionando em simultâneo os mecanismos e relações de poder implícitos no processo de representação. www.andreiaoliveira.net

beli martinez

Beli Martínez

Beli Martínez (A Guarda, 1980). Produtora de longas-metragens como Arraianos (2012) de Eloy Enciso, estreada em Locarno e programada em mais de trinta festivais internacionais. Em 2011 produz Vikingland, de Xurxo Chirro, uma das obras mais representativas do denominado Novo Cinema Galego, estreada no prestigiado FID Marseille e que foi escolhida como uma das melhores películas do ano pela crítica e imprensa especializada como Cahiers du Cinéma e que obteve o reconhecimento do júri nos festivais Play-Doc, Lima Independiente e Márgenes. Trabalha desde 2012 também com este mesmo realizador no Proxecto Socheo, arquivo audiovisual de A Guarda. Em 2013 produz a segunda longa-metragem de Xurxo Chirro, Une histoire seule, presente em numerosos festivais internacionais como Mar del Plata IFF, Cinema D’Autor ou Lima Independiente, fazendo parte do ciclo Un impulso colectivo comissariado pelo crítico Carlos Losilla. Em novembro de 2014 estreou a sua última produção Jet Lag, de Eloy Domínguez Serén, no Festival de Cine Europeu de Sevilla e que participou noutros festivais como FID Marsella ou First Look no MOMI de New York. Doutora en Comunicación Audiovisual concilia a produção com o ensino no Departamento de Comunicación Audiovisual e Publicidade da Universidade de Vigo e no IES Audiovisual de Vigo. Na atualidade, trabalha na preparação da longa-metragem Longa noite dirigida por Eloy Enciso.

carmen nieto

Carmen Suarez Nieto

Licenciada en Psicología pola Universidade de Oviedo. Dinamizadora e formadora na Rede de Telecentros de Asturias. Foi responsável pelo arranque, desenho e a coordenação da Rede de Dinamización da Sociedade da Información da Xunta de Galicia (2007-2010), onde se realizaram projetos inovadores como “Memoria de Muller”,“Memoria dos oficios”, “E-signovisual” ou“Maiores con iniciativa”entre outros. Atualmente trabalha como agente da Rede CEMIT no Concelho de San Sadurniño,onde desenvolve o projeto colaborativo “Fálame de San Sadurniño”

casimiro pinto

Casimiro Alberto Moreira Pinto

É atualmente professor do Agrupamento de Escolas de Garcia de Orta, no Departamento de Ciências Sociais desempenhando a funções de subcoordenador, e tutor em EaD na Universidade Aberta. É investigador integrado do Centro de Estudos da Migrações e da Relações Interculturais (CEMRI) no grupo Media e Mediações Culturais. Os seus interesses de investigação são os videojogos, os mídia, a cultura local, o ensino das ciências sociais, a EaD. Tem organizado e realizado cursos e ações de formação de professores, bem como coordenado planos de formação em centro de formação de professores. Participou num documentário sobre videojogos produzido pela RTP, publicou vários artigos e capítulos em livros e revistas especializadas, abordando temáticas das suas investigações.

daniel maciel

Daniel Maciel

Daniel Martins Pinheiro Maciel é nasceu em 1986 e é natural de Barcelos. Possui uma licenciatura e um mestrado em Antropologia atribuídos pela Universidade de Coimbra. Está a concluir o Doutoramento em Antropologia na Universidade Nova de Lisboa, onde desenvolve uma investigação sobre criação artística em prisões do norte de Portugal.

joão-martins

João Martins

João Martins (1977) é um músico e sonoplasta. Desde 1996, uma figura ativa da música experimental e improvisada, com uma vasta lista de colaborações nacionais e internacionais. Colabora com a companhia de teatro Visões Úteis (Porto), desde 1998, onde, além do trabalho de composição de bandas sonoras e sonoplastia para espetáculos de teatro, desenvolveu outros formatos de performance na paisagem. Colabora igualmente com serviços educativos de instituições culturais de referência. Desenvolveu, em trabalho com comunidades, audiowalks e instalações áudio onde explora as relações entre o território, a memória coletiva e biografias individuais. Estudou no Conservatório de Música de Aveiro, na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto e na Universidade Aberta, onde concluiu a licenciatura em Estudos Artísticos. Desempenha funções de docência na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE-IPP) e na Academia Contemporânea do Espetáculo (ACE).

joão-lafuente

João Lafuente

João José do Coito Lafuente, licenciado em Matemática Aplicada pela Universidade do Porto, exerceu a função de técnico de informática na Caixa Geral de Depósitos. Dedica-se à fotografia desde a adolescência tendo trabalhos seus publicados em livros e revistas. Participou em exposições coletivas e realizou exposições individuais e em co- autoria com Manuela Matos Monteiro. De entre as várias exposições produzidas pode-se destacar “Carnaval em Veneza”, “As Vindimas”, “A luz do Cristalino”, “ Istambul – Roteiro da melancolia”, “Tropicana/Matanzas”, “A Sul de Dakar”,“ Istambul e Lisboa – Roteiros da melancolia”, De entre outras intervenções destaca-se o trabalho também em co-autoria, sobre o Douro: fotografia oficial dos 250 anos da região demarcada, exposição sobre a região na Assembleia da República (“O Douro no Tejo com Siza Vieira, José Rodrigues e Gracinda Candeias), no Parlamento Europeu/Bruxelas, em Paris, Bordéus, em Maputo e na Beira (Moçambique), em várias zonas do Douro e no Porto. Dirige, desde outubro de 2013, com Manuela Matos Monteiro, as galerias Espaço MIRA e MIRA FORUM, em Campanhã, no Porto.

José da Silva Ribeiro

José da Silva Ribeiro

Doutor em Ciências Sociais - Antropologia. Estudos Superiores em Cinema e Vídeo na Escola Superior Artística do Porto. Professor de Antropologia, Antropologia Visual, Media e mediações culturais na Universidade Aberta. Investigador do Centro de Estu-dos das Migrações e das Relações Interculturais da Universidade Aberta onde é Responsável pelo Grupo de Investigação Media e Mediações Culturais. Realizou trabalho de campo em Cabo Verde e nas periferias urbanas de Lisboa e Porto, no Brasil, em Cuba e na Argentina. Coorganizador da Conferência Internacional de Cinema de Viana do Castelo, do Seminário Internacional Imagens da Cultura / Cultura das Imagens. Coordenador da rede Imagens da Cultura / Cultura das Imagens. Colaborador do DIVERSITAS – USP. Professor visitante em Universidades Europeias e da América Latina.

manuel álvarez

Manuel González Álvarez

Licenciado en sociologia pela Universidade Complutense de Madrid . Trabalhou em áreas de realização e produção de curtas-metragens e vários programas da TVG nos anos oitenta. Participou na investigaçãon e catalogação da memória audiovisual da emigração galega com diversas publicações e trabalhos. Entre outros, publicou o livro: “Documentos para la Historia do cine en Galicia” (1970-1990,). Criador e diretor da Escola de Imaxe e Son de A Coruña (1990-1998). Criador e diretor da Axencia Audiovisual Galega da Consellería de Cultura e Deporte de la Xunta de Galicia (2005-2009). Impulsionou novos projetos como Cinemas Dixitais, Flocos TV (Prémio Mestre Mateo 2009), ou Memória do século XX. Professor no Máster de produción e xestión audiovisual da Universidade de Coruña e La Voz de Galicia (1998-2016) . Participou en inúmeros eventos, festivais e mostras audiovisuais, assim como em conversas e colóquios em foros nacionais e internacionais. Foi Prémio de honra “Mestre Mateo” en 2013, “pola súa contribución ao desenvolvemento da industria audiovisual galega”. Atualmente trabalha como professor de História no IES Concepción Arenal do Ferrol, gere o canal “Cliphistoria” e colabora como assesor e criador de conteúdos en “Fálame de San Sadurniño”.

manuela-monteiro

Manuela Matos Monteiro

Manuela Matos Monteiro tem formação em Filosofia e Psicologia sendo co-autora de livros de Psicossociologia, Psicologia e autora de livros de Pedagogia, Metodologia de Projeto entre outros (Porto Editora). Dirigiu durante anos a revista 2:PONTOS e foi coordenadora do site NetProf. Dedica-se à fotografia há vários anos, participando com os seus trabalhos em exposições colectivas e individuais. O seu trabalho tem sido reconhecido através de prémios obtidos em diversos concursos de fotografia, de que se destaca o 1º prémio no concurso internacional “La femme et la vigne”. Tem trabalhos publicados em livros e revistas. De entre as diferentes intervenções pode-se destacar o trabalho em coautoria com João Lafuente, sobre o Douro. Desde 2011 desenvolve experiências com um smartphone explorando as potencialidades do dispositivo que capta e edita fotografias. Teve trabalhos selecionados e expostos em Los Angeles, Kansas City, Miami, Tokyo, Berlim, Florença, Verona entre outras. Realizou duas exposições individuais: no Ecomuseu de Montalegre (2012) e a exposição “Contemplação” na Casa Museu Abel Salazar (dezembro 2014). Uma das suas “Self(ie) evidence” obteve o 1º prémio na categoria de autorretrato no concurso MPA de 2014, o mais prestigiado prémio em fotografia mobile. Dirige, com João Lafuente, as galerias Espaço MIRA e MIRA FORUM em Campanhã, Porto.