Scroll To Top
filmesdohomem

Filmes do Homem 2018

Olhar o Mundo em MELGAÇO

De 30 de julho a cinco de agosto, Melgaço volta a olhar o Mundo. 27 filmes candidatam-se ao prémio Jean Loup Passek, que será atribuído por um Júri constituído pela professora catedrática e cineasta Margarita Ledo Andión, pelas realizadoras Jasna Krajinovic e Luciana Fina, e pelos críticos de cinema Luís Miguel Oliveira e Ricardo Vieira Lisboa.

O curso de verão FORA DE CAMPO, coordenado pelo professor José da Silva Ribeiro, homenageia o realizador francês Jean Rouch, dá-nos a conhecer o trabalho da realizadora brasileira Eliane Caffé e o projeto Melgaço do Amazonas.

A residência cinematográfica e fotográfica PLANO FRONTAL, orientada pelo realizador Pedro Sena Nunes, mostra os documentários e os trabalhos fotográficos realizados na última edição e vai continuar a olhar a região através da produção de novos projetos.

O KINO MEETING - Encontro Internacional de Serviços Educativos de Cinema, coordenado por Patrícia Nogueira, vai refletir sobre o filme como um instrumento para a literacia fílmica e contará com representantes da Cinemateca Alemã, Filmoteca de Catalunha, AO NORTE, Mimo Leiria, Mucho Más que Cine, Kinodvor, da Eslovénia, Cinanima, Cineclube de Faro, Cineclube de Viseu e Casa Museu de Vilar.

O Museu de Cinema de Melgaço Jean Loup Passek inaugura a exposição Anna Magnani por Anna Magnani, comissariada por Bernard Despomadères, e a Casa da Cultura mostra a exposição de fotografia Pele e Pedra, de João Gigante, uma produção de FILMES DO HOMEM sobre Parada do Monte. Esta exposição integra o projeto Quem somos os que aqui estamos? coordenado por Álvaro Domingues, que interroga a capacidade que o espaço geográfico e as suas geografias político-administrativas têm de fazer coincidir sociedade e território. O mesmo projeto mostra a exposição Quem somos os que aqui estamos em trânsito, comissariada por Daniel Maciel e realizada a partir de álbuns familiares de habitantes de Parada do Monte e de Cubalhão.

Ainda sobre o território, estarão patentes as exposições Cá e Lá, Nosotros, de Sandra Teixeira, Impermanência, ou, da Memória da Vida de Brandeiro, de Luís Miguel Portela, e Fôlego, de Ana Luísa Martins, produzidas durante a Residência Fotográfica Plano Frontal 2017.

No fim-de-semana de 4 e 5 de agosto, o Salto a Melgaço propõe, não uma viagem acidentada como a que nos anos sessenta milhares de portugueses fizeram quando emigraram para França "a salto", mas uma programação que inclui projeção de filmes, visita a exposições, ao Museu de Cinema Jean Loup Passek, ao Espaço Memória e Fronteira, a Lamas de Mouro e a Parada do Monte. Uma sessão especial com o documentário Silêncio, apresentado por José Alves Pereira, homenageará António Loja Neves, que colaborou em todas as edições deste Festival.